Texto
Lembrará de mim pelo eterno!
Alguns são capazes se perguntar por vezes o quão será sua longevidade. A vida ─ uma dádiva divina ─ concedida aos homens em busca da continuidade, ao meu ver. De acordo com alguns pensadores, baseados em suas mentes evoluídas, este presente não passa de uma propriedade que caracteriza os organismos cuja existência evolui do nascimento até a morte. Somos então uma demonstração de que nada eterno? Nossa existência tem fim. A carne é consumida, o carbono é degradado e ao fim da noite, não há mais seu ser. É atormentador imaginar o quão insignificante parece ser. A história irá te esquecer. Nós perdemos entes amados a cada segundo que se passa. E não importa o quanto os amamos, ao longo daquilo que define como "vida", os esquecerá. "A história irá te esquecer", ouso repetir em alto e bom som.

[RP Finalizada] They told everything is waiting for you... 20/02

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

[RP Finalizada] They told everything is waiting for you... 20/02

Mensagem por Marie-Aldine Yves Gardett em Sab Fev 20, 2016 5:54 pm

A postagem a seguir é fechada. A mesma ocorre entre Nadia C. Herveaux,sendo terminantemente proibida qualquer outra postagem se não dos(as) citados(as) acima. O conteúdo é livre e interação se passa no French Market,Cafe du Mond. O tempo está chuvoso e a data é 20 de fevereiro do corrente ano

_________________



Marie-Aldine;
Horrorshow and Ultraviolence
O Conselho
avatar
Mensagens :
0

Data de inscrição :
18/02/2016

Idade :
20

O Conselho

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [RP Finalizada] They told everything is waiting for you... 20/02

Mensagem por Marie-Aldine Yves Gardett em Sab Fev 20, 2016 6:07 pm





Quando se chega em uma nova cidade, é normal que se sinta um pouco perdido em meio a tantas localidades novas e que nunca foram vistas de perto; que se precise de informações, pontos de referência e até mesmo de um gps. E é claro que não poderia ser diferente comigo.

Apesar de ter chegado só há duas semanas, fiz questão de passar os dias rodeando a cidade aleatoriamente, conhecendo os principais pontos turísticos e criando um mapa em um caderno de anotações  (e outro em minha mente) para garantir que não fosse dada como desaparecida há menos de um mês. Devo dizer que Nova Orleans não era como eu esperava, tudo bem que a arquitetura antiga é perfeita para filmes de época e filmes de terror antigo (sendo que os modernos são bem mais interessantes) e que não é muito diferente da antiga Louisiana, então deduzir os pontos mais movimentados, as ruas mais movimentadas, principais pontos de encontro e todas essas besteiras era bem mais simples do que eu pensava que seria.

Sentada em uma cadeira almofadada, com uma xícara de mocha pela metade, eu não tinha nada a fazer a não ser: passear pela cidade, passar cantadas nas pessoas lindas da cidade, ler os poucos livros que trouxe, entupir minhas prateleiras com mais livros e ficar trancada o dia todo naquela mansão escola ou o que quer que seja, deixando que tudo se explodisse atrás de minha porta (inclusive minha tia. Brincadeira)

O tempo chuvoso ajudava bastante a dar um clima cinematográfico ao momento, observar os clientes entrarem e saírem, alguns apressados, outros não era o único passatempo enquanto a chuva não cessava, o que, pelo modo como caía, ia demorar um pouco. E conforme escurecia, ficava mais..."inacessível" o caminho para casa.
- Ou esta maldita chuva para, ou vou terminar ligando para minha tia vir me buscar. Ou até mesmo tendo que dormir com o bonitinho do caixa - murmurei entediada, olhando o visor do celular e em seguida direcionando o olhar para o garoto loiro do caixa mais uma vez.

O café parecia estar fazendo o efeito reverso, minhas pálpebras pareciam se fechar cada vez que eu piscava, eu precisava sair dali e ir para casa o mais rápido possível, mas jamais me arriscaria a ter uma crise de espirros com toda aquela chuva que caía. O relógio já marcava 21:15, e eu sabia que o café só fecharia 22:00, e também sabia que ninguém iria entrar ali para tomar um café faltando 45 minutos para fechar.
- Não é nenhum mico descansar os olhos numa cafeteria, principalmente se está cansada de esperar esta maldita chuva parar. - Disse para mim mesma, guardando o celular no bolso e afastando a xícara de café do caminho do meu braço, agora estendido. Encostei o lado direito da cabeça sobre o antebraço e adormeci, sem me preocupar, pois sabia que o bonitinho do caixa iria me acordar assim que estivesse prestes a fechar, o que não demorou muito, ao menos segundo a definição de tempo do meu sono. Uma voz profunda me chamava ao longe, eu demorei alguns segundos para perceber, e só então para acordar.

Ergui a cabeça com os olhos um pouco inchados, olhando para a direção da voz. Meus lábios murmuraram um "quê" tão baixo que nem parecia que havia dito algo.
- Senhora, nós vamos fechar a loja. - Disse a voz novamente, que reconheci ser do bonitinho do caixa após esfregar os olhos. - Ah, claro. De boas. - Respondi me levantando da mesa, esfregando uma das mãos na testa, pois tinha certeza de que haveria alguma mancha vermelha enorme nela. Passei uma das mãos no cabelo, numa tentativa de arrumá-lo, enquanto retirava 20 dólares do bolso de minha calça e colocava por cima da mesa. - Pode ficar com o troco porque achei você muito bonitinho. - Comentei, esboçando um sorriso que não deve ter parecido muito bonito porque as chances de eu estar parecendo uma bêbada eram altas de mais. O garoto pareceu atordoado por um instante, forçando um sorriso gentil, que com certeza tinha ficado lindo no rosto dele. - Obrigado senhora. - Respondeu educadamente. - Me chame de Nadia, eu não pareço ter 50 anos. - Argumentei, agora mais desperta. - E espero que me perdoe por isto, mas você é tão fofo que eu poderia namorar com você, quero dizer, se não tiver uma namorada ou alguém de quem goste claro. O que é bem difícil nos dias atuais, fora que você me conhece. De qualquer maneira, peço desculpas antecipadamente - Expliquei sem dar tempo para que o garoto respondesse, agarrando sua camisa com as duas mãos e o beijando de uma vez só, soltando-o após alguns segundos.
O garoto ficou completamente paralisado, como se tivesse virado uma estátua (não, eu não o paralisei, talvez ele só tenha sido surpreendido pelo beijo, eu costumo causar esse efeito nas pessoas) sorri gentilmente, ainda o olhando e fui em direção a porta. - Vejo você depois. - disse, acenando caso ele já tivesse voltado a realidade.

Ao sair do mercado, a chuva finalmente havia cessado, apesar de ainda haverem poças de águas no chão e as nuvens ainda cobrirem o céu, dando um aspecto amarronzado, eu tinha certeza de que daria tempo de chegar na mansão seca e segura, pois pelo modo com o vento chegava, aquela chuva que estava se armando só iria cair horas depois, quando eu já estivesse confortável e aconchegada em minha cama. Respirei fundo, soltando um suspiro e olhando para o céu, ainda que não houvesse nenhum sinal de lua. -
Até que esse lugar não é tão ruim assim.


Coffee | raining | bored





[/color]

_________________



Marie-Aldine;
Horrorshow and Ultraviolence
O Conselho
avatar
Mensagens :
0

Data de inscrição :
18/02/2016

Idade :
20

O Conselho

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum